Pular para o conteúdo principal

Logos genéricos que todo design deve evitar

O designer gráfico italiano Giovanni Tondini compilou uma série de logos genéricos que os designers devem evitar de utilizar. Segundo ele, com um projeto de mesmice a empresa se apresenta no mercado com uma imagem anônima, desprovida de qualquer identidade.
Giovanni iniciou esta coleção em observações que fez em sites com sistema de concorrência criativa, onde o cliente faz um pedido (identidade corporativa, logos, sites, etc.) e escolhe entre diversas propostas dos designers presentes. O cliente tem a possibilidade de obter trabalhos incríveis de todo o mundo e os profissionais têm a possibilidade de exibir seus trabalhos para toda a comunidade de criativos do site, e assim aumentar sua carteira de clientes.
Mas, como o próprio designer afirma, há uma armadilha neste tipo de prestação de serviços: os logos genéricos. Com uma marca genérica e não adaptada às necessidades do cliente, a empresa não consegue estabelecer sua marca no mercado e derrota o propósito de se destacar da concorrência (que é uma das intenções quando se investe em uma marca).O problema, segundo Giovanni, é que frequentemente acontece destes projetos ganharem concursos e serem escolhidos pelos clientes. Talvez a escolha se dê por familiaridade, mas o que muitos não sabem é que a internet está repleta de clones. Confira abaixo as compilações feitas pelo designer e as inúmeras semelhanças entre os desenhos.
O designer afirma que estes são os maiores clichês até o momento:


 A sigla da empresa com um corte, duas cores e geralmente a fonte Trajan.

 A sigla da companhia em fontes do tipo “Ethnocentric” (com letras unidas ou separadas):

 O nome da empresa dentro de um círculo de duas cores:

 Uso da fonte “Satisfaction”:

 Sigla da empresa em caixas quadradas:

 Gráficos financeiros, torres, linhas de crescimento:

 Telhados e edifícios cúbicos:

 Esferas:

 Carros estilizados (com tipografias parecidas):

 Árvores onde os troncos são as pessoas ou as mãos:

 “Homens-folhas”:

 “Círculo arco-íris” formado por pessoas estilizadas:

 Formas com “linhas swoosh” (como a marca da Nike):

 Formas misturadas com folhas ou gotas:

 Bolhas ou pontos conectados:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Renova - A Boutique do Papel Higiênico.

  A marca européia   Renova fabrica lenços, guardanapos, papel toalha e papel higiênico coloridos. Sim! Há 6 opções de cores: verde, azul, vermelho, laranja, preto e rosa. As ativações da marca são muito legais: venda dos papéis coloridos em vending machines, pointsWC boutiques, exposições/displays em locais como o Museu do Louvre em Paris, aeroporto em Lisboa, shopping na Dinamarca. Nada como um banheiro cool, né? Se em algum supermercado vocês enxergarem alguém levando todas as cores, já sabem: sou eu.               Fonte: Follow The Colours

Karl Lagerfeld e Faber-Castell se juntam e lançam estojo “Karlbox”

Karl Lagerfeld é o todo poderoso (e conhecido) Designer Chefe e Diretor Criativo da grife Chanel. E uma das ferramentas que mais usa são lápis de cor e canetas para esboçar as peças de moda que fluem na sua mente criativa. E nada mais justo que ele em parceria com a Faber-Castell lançarem uma linha completa de produtos artísticos. A Karlbox é um luxuoso e elegante estojo preto com edição limitada contendo 350 instrumentos artísticos de qualidade para desenho e pintura, desenhado por Karl Lagerfeld. Produzida com habilidade exemplar, a sua estrutura de madeira se assemelha a um armário chinês: dentro, gavetas armazenam os materiais artísticos, ordenados por tonalidades de cor, todos selecionados pessoalmente por Karl, e simbolizam a sinergia entre moda, arte e design. As gavetas individuais são removíveis, para serem organizadas durante o desenvolvimento do trabalho criativo. O estojo é exclusivo, contendo um número de série e um certificado de autenticidade, tornando-o completamente o

Uma animação para entender o conflito entre Israel e a Palestina

Um vídeo irônico, satírico e inteligente feito pela cartunista norte americana  Nina Paley  mostra, de forma desenhada, o conflito histórico pelo domínio da região conhecida como Terra Santa. A animação “ This Land is Mine ” (“A Terra é Minha”) ilustra a matança dos povos habitantes daquela região, com a trilha sonora de Andy Williams criada por Ernest Gold e Pat Boone. “ This Land is Mine é uma paródia de The Exodus Song. Esta música era uma espécie de trilha sonora do sionismo americano na década de 1960 e 70. Era para expressar o direito judaico para Israel. Ao colocar a música na boca de todos os partidos em guerra, eu estou criticando a canção original ”, explica Nina Paley Respeitando a cronologia dos fatos, o vídeo retrata todas as guerras em torno da Terra Santa – nome bíblico que compreende o território de Israel, Cisjordânia e parte da Jordânia, que teria sido prometida ao povo judeu no Antigo Testamento. Entenda os personagens: Homem primitivo :  este